Nossa fundadora

“O essencial de nossas vidas é que fique em algum lugar o fruto de nossa bondade.”

Madre Marie-Anastasie

– Fundadora do Colégio Nossa Senhora do Rosário

Madre Marie-Anastasie, nasceu no dia 17 de novembro de 1833, em Compeyre, na França em uma pequena paróquia. Seu pai, Joseph Conduché, um sapateiro e cristão devotado, casou-se com Marie- Jeanne Artières. O casal teve seis filhos, mas somente duas filhas sobreviveram – Alexandrine e Joséphine.

Alexandrine Conduché, a futura Irmã Marie-Anastasie, era uma menina calma, dedicada e serena, que mantinha um comportamento solidário em todos os lugares e situações. Desde pequena, Alexandrine demonstrou grande interesse por conhecer a vida dos santos e passava longas horas lendo a respeito. Aos onze anos, fez a primeira comunhão.

Alguns meses depois, seus pais decidiram tirá-la da escola para ficar em casa. A mãe estava doente e o pai não tinha ainda um trabalho. Esse foi um período difícil de pobreza em que Alexandrine precisou substituir sua mãe nos trabalhos domésticos. A mãe de Alexandrine fazia parte de uma família com vários sacerdotes.

Em junho de 1847, Alexandrine mudou-se para Tizac a convite de Padre Artières, seu tio, para morar na paróquia do verde Ségala. Aos quatorze anos, ele pediu a ela para abrir uma sala de aula para as crianças da aldeia, pois em Tizac não havia escola.

Em 10 de março de 1849, ela e outra jovem, Virginie Gavalda, foram enviadas para formação na comunidade religiosa das Irmãs de Notre Dame, em Saint Julien d’Empare,  na diocese de Rodez, perto de Capdenac. Em 8 de abril, Alexandrine passou para a turma das postulantes. Dois meses depois, em 14 de junho, ela foi chamada a colocar o hábito religioso e adotou o nome de Irmã Marie-Anastasie, que significa Ressurreição. Virginie Gavalda tornou-se a Irmã Saint-Joseph.

Após seis meses de formação, por insistência de Padre Gavalda, elas regressaram a Bor em 31 de dezembro de 1849. No dia seguinte, em 01 de janeiro de 1850, com o início das aulas, começou a fundação da comunidade com moças da região. Devido ao privilégio da idade, Irmã Saint-Joseph foi nomeada Superiora aos 24 anos; Irmã Marie-Anastasie ficou incumbida da escola, aos 17 anos.

Naquele momento, a comunidade era composta pelas duas noviças, Irmã Saint-Joseph e Irmã Marie-Anastasie, e por três aspirantes. Esse momento marca o início da Congregação das Irmãs Dominicanas de Nossa Senhora do Rosário de Monteils que se iniciou pela perseverança de Padre Gavalda, pároco de Bor. A Congregação foi oficializada em 30 de março de 1850, por Jean François Croizier, bispo de Rodez, sul da França, departamento do Aveyron.

Em 10 de outubro de 1862, Irmã Marie-Anastasie foi designada por suas Irmãs como Priora da Comunidade. No ano seguinte, em 1863, na festa de Nossa Senhora do Rosário, a autoridade eclesiástica veio fazer uma visita e, nesse dia, Irmã Marie-Anastasie e mais oito de suas companheiras fizeram os votos perpétuos. Estava confirmada a Congregação do Santo Rosário.

Irmã Marie-Anastasie trabalhou muito pela fundação do Instituto. Ela cuidava do convento em Bor e das outras Irmãs, seguindo rigorosamente as leis gerais da vida religiosa, cultivando a prática do silêncio, da oração, da bondade, da pobreza e da simplicidade.

O trabalho de Irmã Marie-Anastasie foi reconhecido para além do convento de Bor, que se tornou pequeno para acolher o grande número de jovens atraídas pela vida religiosa e a regularidade demonstrada pelas Irmãs. A reputação das Irmãs era fruto também da competência profissional, que se destacava não só na área educacional, mas também pela abertura social e assistência aos enfermos realizada por meio de visita às famílias.

Irmã Marie-Anastasie visitava as comunidades a pé, constantemente, a fim de garantir os princípios originais da fundação, especialmente a prudência, a bondade, a oração, a regularidade religiosa, as grandes virtudes monásticas, o silêncio, a pobreza, a austeridade, a obediência praticada com amor. Contudo, ela tinha saúde frágil e não pode continuar por muito tempo por motivos de saúde.

Os pedidos de prefeitos, párocos, entre outros, para ampliar as comunidades continuaram se multiplicando. Os superiores religiosos deram a permissão para a fundação de outros conventos nas dioceses de Montauban, de Rodez e de Albi. Em 1875, ocorreu a inserção definitiva da Congregação na Ordem dos Pregadores, fundada por São Domingos de Gusmão.

De 1863 a 1878, Madre Marie-Anastasie abriu 17 novas comunidades escolares. No dia da Páscoa, em 21 de abril de 1878, Madre Marie-Anastasie faleceu.

As comunidades continuaram se multiplicando e as fundações aconteceram em outros países limítrofes com a França: Itália, Bélgica, Bulgária, Espanha. Em 1885, um grupo de seis Irmãs da Congregação atravessou o Atlântico, a pedido da Ordem Dominicana, e se implantou na cidade de Uberaba, no Brasil, dando continuidade à obra de Madre Marie-Anastasie em terras brasileiras.

// Somos anastasiano-dominicanos

Sabemos que a conquista de um mundo melhor só será possível por meio da educação, que tem o poder de transformar as pessoas, tornando-as mais humanas, sábias e, consequentemente, melhores. Como colégio anastasiano-dominicano, o Rosário é um lugar onde se desenvolve o interesse pelo conhecimento e pelo estudo, onde o estudante é estimulado a analisar e avaliar aquilo que aprende, reconhecendo seus progressos e suas dificuldades, percebendo as próprias potencialidades e limitações. No Rosário, o aluno aprende a maximizar seus talentos e a minimizar suas dificuldades. Aprende a estabelecer desafios e metas para si, a estar sempre em harmonia com sua espiritualidade, de modo a crescer como ser humano. Isso só é possível porque o Rosário segue, como princípio essencial, os valores anastasiano-dominicanos.

// Conheça um pouco da história de São Domingos de Gusmão


Domingos nasceu em 24 de junho de 1170, na Espanha e pertencia a uma nobre família católica e rica. Ele dedicou-se aos estudos, tornando-se uma pessoa muito culta. Mas nunca deixou a caridade de lado. Em Calência, cidade onde se diplomou, surpreendeu a todos ao vender os objetos de seu quarto, inclusive os pergaminhos caros usados nos estudos, para ter um pequeno “fundo” e com ele alimentar os pobres e doentes.

Aos vinte e quatro anos, sentindo o chamado, recebeu a ordenação sacerdotal e o fez com muita fé e dedicação. A santidade de Domingos ganhava cada vez mais fama, atraindo as pessoas que desejavam seguir o seu modelo de apostolado.

A Ordem dos Dominicanos foi criada em 1216. Domingos de Gusmão e seus seguidores passaram a ser conhecidos como homens sábios, pobres e austeros, tendo como características essenciais a ciência, a piedade e a pregação.

Em 1217, para atrair a juventude acadêmica para dentro do clero, o fundador determinou que as Casas da Ordem fossem criadas nas principais cidades universitárias da Europa, que na época eram Bolonha e Paris.

No dia 8 de agosto de 1221, com apenas cinquenta e um anos de idade, ele morreu. Foi canonizado pelo Papa Gregório IX, que lhe dedicava especial estima e amizade, em 1234. São Domingos de Gusmão foi sepultado na catedral de Bolonha e é venerado, no dia de sua morte, como Padroeiro Perpétuo e Defensor dessa cidade.